Divulgação: Dia Internacional da Mulher – entrevista a duas associadas

De acordo com os últimos resultados obtidos no Estudo sobre os profissionais de cibersegurança e segurança da informação em Portugal (2021), apenas 14% dos respondentes eram mulheres.

Em celebração do Dia Internacional da Mulher em 2022, a AP2SI realizou uma entrevista a duas das suas associadas no sentido de perceber a importância de discutir este tema e como podemos melhorar.

Ana Respício e Sílvia Cardoso responderam às nossas questões, partilham connosco a importância de celebrar este dia, dão-nos a conhecer o que é ser uma mulher em cibersegurança e deixam alguns conselhos a jovens mulheres quem queiram seguir uma carreira nesta área.

Por que acha importante comemorar o Dia Internacional da Mulher?

Ana Respício: Enquanto existirem desigualdades de oportunidades e de liberdade, é importante haver um Dia da Mulher. Em termos de emprego, em Portugal, a diferença salarial em função do género é em média cerca de 15% a favor dos homens (Pordata, 2019). Esta diferença, que também existe na Europa (14%) e nos Estados Unidos (16%), explica-se por três razões: as funções pior remuneradas são maioritariamente desempenhadas por mulheres; as posições de topo nas organizações são maioritariamente ocupadas por homens; e, em muitos empregos, para funções iguais, as mulheres ganham menos do que os homens. Na presença de candidatos com competências equivalentes, muitos empregadores ainda escolhem o homem. As diferenças de características entre homens e mulheres devem ser valorizadas para melhorar as equipas.

Em termos sociais e culturais, ainda existem lugares no Mundo onde as mulheres não têm quaisquer direitos, nem sequer sobre o seu próprio corpo.

Sílvia Cardoso: É importante lembrar estas datas, para que as melhorias na igualdade de oportunidades de desenvolvimento para ambos os sexos possam ser destacadas e cumpridas.

Já sentiu alguma(s) barreira(s) na sua carreira por ser mulher? Se sim, como a(s) superou?

AR: Nunca senti qualquer barreira na carreira, nem qualquer discriminação pelos meus pares, quer a nível nacional, quer a nível internacional. Não tenho conhecimento de qualquer caso de discriminação em função do género, nem no meu departamento, nem na faculdade. Talvez porque trabalho num ambiente mais ou menos “protegido”. O Departamento de Informática em Ciências tem uma proporção razoável de mulheres: cerca de 40% dos professores de carreira. Já nos discentes, a percentagem de raparigas era muito reduzida há uns anos, mas tem vindo a aumentar e atualmente é de quase 20%.

Na minha atividade letiva, já enfrentei algumas atitudes menos corretas em função do género. Nesses casos, é preciso relembrar o aluno que na Universidade há o dever de tratar com correção e respeito todos os membros da comunidade académica.

SC: Sim. Superei-as com esforço, dedicação e resiliência para conseguir chegar ao meu objetivo (pelo menos parte deste).

Qual o conselho mais importante que já recebeu?

AR: “Faz o melhor que puderes com aquilo que tens.”

SC: “Acabar o que começamos.

Como acha que podemos encorajar mais jovens mulheres a seguir carreiras técnicas em geral, e para esta área em particular?

AR: Sensibilizando a sociedade para as oportunidades que existem nas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e em Segurança Informática.

Desde 2015 que em Ciências organizamos anualmente um evento “Girls in ICT Day”, uma iniciativa internacional, promovida pela União Internacional das Telecomunicações (ITU), com o objetivo de aumentar a consciencialização das jovens mulheres sobre as oportunidades de carreiras em TIC. Em 2022, o tema desta iniciativa é “Acesso e segurança” (em relação às TIC), que reflecte alguns dos obstáculos que as jovens mulheres ainda encontram nesta área. Mais recentemente, participamos no Programa “Engenheiras por um dia“, uma iniciativa coordenada pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, e à qual a AP2SI se juntou no final do ano passado.

É necessário mudar mentalidades e crenças muito enraizadas na sociedade. A sociedade ainda vê como “carreiras para mulheres” aquelas em que a mulher pode mais facilmente aplicar as suas competências sociais, emocionais, e cooperativas. Para trazer mais mulheres para as áreas técnicas, há que agir nas bases. Logo na idade do ensino básico, na escola ou em casa, as crianças deveriam ser expostas às tecnologias e à programação. Existem linguagens de programação desenvolvidas para crianças, como o Scratch ou o Blockly, que permitem brincar a programar e que promovem o desenvolvimento do raciocínio lógico, do pensamento criativo e da autonomia. Esta introdução à programação é benéfica tanto para raparigas como para rapazes e, a longo prazo, para toda a sociedade. Pelas suas características inatas, os rapazes têm mais tendência a brincar com máquinas e a explorar a programação individualmente. Se no ensino básico se ensina sobre a flutuação em líquidos porque não ensinar a desenvolver algoritmos ou a fazer uma app? É algo que pode ser muito criativo e divertido, além do impulso que pode dar à nossa auto-estima sermos nós a fazer “os nossos próprios jogos”.

SC: Neste caso, será sempre uma escolha de percurso, que se bem gerido, pode dar origem a oportunidades de desenvolvimento diferenciadoras.

Que mensagem quer partilhar para uma jovem mulher que esteja a pensar enveredar por esta carreira?

AR: Há uma enorme carência de bons profissionais em cibersegurança, há excelentes oportunidades de emprego, é uma área onde há muitos desafios, e não há monotonia. A imagem do geek fechado numa cave escura é coisa ultrapassada. A segurança informática é uma área onde há atividades “giras” e desafiantes para as mulheres. Eu ensino gestão de risco em segurança informática, faço investigação aplicada nessa área, e, recentemente, comecei a interessar-me pela área de descoberta de vulnerabilidades em software. São áreas que estimulam a capacidade analítica e a criatividade.

Conheço jovens mulheres (e alguns homens) que decidiram “mudar de área”, já depois de terem formação académica em área não afim, porque estavam insatisfeitas com as oportunidades de emprego ou porque estavam cansadas da monotonia nas atividades que desempenhavam. É importante fazermos o que gostamos, só assim podemos viver bem connosco próprios.

SC: A carreira em tecnologias de cibersegurança é interessante porque as visões de ambos os sexos permitem uma perspetiva mais íntegra para a melhor solução de problemas.

Existe alguém que seja uma inspiração para si, na sua carreira?

AR: Existem muitas pessoas que me inspiram, mas nenhuma em particular. Inspiram-me características: o entusiasmo, a integridade, a capacidade de estimular o melhor nos outros, o empreendedorismo, e a dedicação.

SC: Sim. Entre algumas personalidades, destaco alguns professores/as que tive o privilégio de ter como instrutores e que me inspiram,  ainda hoje,  a prosseguir.

Porque acha que o tema da Diversidade e Inclusão no trabalho, e nesta área, é importante?

AR: A diversidade e a inclusão promovem a inovação. A exposição a diferentes pontos de vista e modos de trabalhar estimula-nos a ter novas ideias e atitudes. Fico feliz quando sei que alguns empregadores entendem as vantagens de formar equipas equilibradas na área de cibersegurança. Já acontece que para algumas funções se privilegiam características mais femininas, como a atenção aos detalhes ou a abertura à cooperação.

SC: A inclusão e a diversidade são a chave para soluções mais completas de problemas porque, na minha perspectiva, apoiam a criação de soluções mais humanas.

Ana Respício é Professora Universitária no Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e investigadora integrada do LASIGE, uma unidade de investigação e desenvolvimento nas áreas de Ciências da Computação e Engenharia.

Sílvia Cardoso é profissional em TI e segurança da informação, com cerca de 15 anos de experiência em continuidade de negócio.

Ambas são Associadas Qualificadas da AP2SI.